Sexta-feira, 31 de Agosto de 2007

Fundamental

Uma grande notícia essa que se lê abaixo: o disco “Eugénia Melo e Castro canta Vinícius de Moraes” será relançado no Brasil. Esse é um daqueles discos que levarei na sacola para a idílica ilha deserta dos nossos sonhos. Um amor, uma choupana e uns 30 discos para o resto dos meus dias. Não me perguntem como farei para tocá-los. Se a ilha é deserta, por certo não haverá energia elétrica disponível. E as pilhas que levarei na sacola não durarão para sempre, mesmo porque a maresia ajudará a abreviar a vida útil delas. Aliás, quem inventou essa história de ilha deserta e discos preferidos já deveria ter providenciado uma solução.
 
Eugénia gravou esse álbum em 1994, em uma época onde a “Música Prá Pular” brasileira estava no auge. Por isso, os diretores da Som Livre nem acreditaram quando ela disse quais eram as músicas do Vinícius que gravaria. Enquanto esperavam por um repertório da fase Vinícius e Toquinho, ou mesmo das maravilhosas canções da bossa nova, eis que Eugénia aparece com as canções mais líricas do Poetinha, muitas delas anteriores à bossa nova e a um passo além da fase dos sambas-canção. Canções dos meados dos anos 50 até o início dos 60, época que o grande poeta e ainda diplomata extravasava todo o seu lirismo, tendo a acompanhá-lo um pianista e compositor que tocava na noite do Rio de Janeiro, um moço chamado Antonio Carlos Jobim.
 
9 canções das 14 do disco são da dupla Jobim – Vinícius. Clássicos como "Derradeira Primavera", "Chora Coração", "Canção do Amor Demais", "Eu sei que vou te amar", entre outros de mesmo quilate, são intensamente interpretados pela Eugénia. Ela escolheu também 3 canções feitas somente pelo Vinícius ("Valsa de Eurídice", por exemplo, é um primor), tão bonitas que somente a generosidade do poeta seria a explicação para o fato dele não ter continuado a fazer música. Preferiu emprestar a sua poesia para diversos parceiros, músicos notáveis, que puderam então vir à tona na música popular do Brasil. Baden Powell e Edu Lobo são exemplos típicos e estão no disco. Até uma rara e quase desconhecida parceria com o erudito Claudio Santoro, "Amor em Lágrimas", está presente, evidenciando a escolha criteriosa e irretocável feita pela Eugénia.
 
Eu não me arrisco a dizer qual seria o disco mais bonito de Eugénia Melo e Castro. Afinal, são tantos os discos notáveis, que escolher um seria uma injustiça para com os outros. Mas posso dizer que “Eugénia canta Vinícius” é fundamental e especial, não só para a carreira dela, mas também para a própria música do Brasil. A possibilidade de revermos essas músicas cantadas por uma portuguesa, filha de um país de onde herdamos nossa ancestral melancolia, e com uma delicadeza como poucas vezes se viu na musica popular, é uma senha para entrarmos no labirinto do “ser brasileiro”.
 
Outras cantoras homenagearam o Poetinha em 2003, ano em que Vinícius faria 90 anos. Bethânia, Miúcha , por exemplo, lançaram discos com as canções do poeta. No entanto, o disco da Eugénia foi o primeiro em muitos anos a “redescobrir” Vinícius, e apresentá-lo com a sua face mais trágica e apaixonada.
 
Uma outra observação deve ser feita com relação ao disco: o dueto da Eugénia com Tom Jobim na canção “Canta, canta mais” foi uma das últimas gravações do maestro soberano. Tom Jobim morreria em dezembro de 1994.
 
E, levando em consideração o gosto pessoal, acho que a capa do relançamento é mais bonita que a do disco original.
 
Portanto, é hora de aguardar o “Canta Vinícius” e preparar a viagem para um tempo de delicadeza. Tempo que não voltará mais, é bem verdade, mas que ainda pode reviver na alma dos mais sensíveis.
 
Muri Pessoa
 
Publicado por Eugénia Melo e Castro às 22:44
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 30 de Agosto de 2007

CANTA VINÍCIUS !!!



Finalmente este Cd vai ser relançado no Brasil, em Outubro 2007, pela Brasilmusic / Atração !!!
Publicado por Eugénia Melo e Castro às 22:04
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 29 de Agosto de 2007

Dizem que as ruivas...........



......são um sucesso..................
Publicado por Eugénia Melo e Castro às 15:50
Link do post | Comentar | Ver comentários (1) | Adicionar aos favoritos

um beijo para Eduardo Prado Coelho



"Não tenho grandes dilemas. Sou relativamente estável psicologicamente. Por outro lado, como esqueço com imensa facilidade, não faço neuroses. Tudo o que me desagrada esqueço com uma velocidade tão vertiginosa que eu próprio me espanto "
Publicado por Eugénia Melo e Castro às 15:13
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Crónica de Eduardo Prado Coelho



OCEANO PACÍFICO

Jornal Público, 9 de Março de 1999

Abri o rádio do carro e saltou uma voz conhecida, que eu sabia que me era familiar. Neste caso, a voz indolentemente cantante de Eugénia Melo e Castro. Explicava ela, com uma simplicidade que os economistas estão longe de ter, o que foi viver no Brasil com a inflação:Quando se faziam as contas das despesas do mês, nunca se sabia se o dinheiro ia chegar, porque o que ele valia num dia já não era o que valia 30 dias depois. Os mais informados andavam de telefone em punho a dar instruções aos bancos, porque tinham aprendido a jogar com o sorvedouro da inflação. Os outros viam o dinheiro sumir, sumir simplesmente.
E esse pesadelo, explicava a Eugénia, que durante quatro anos as pessoas julgaram que tinha desaparecido, começa agora a regressar, desmentido por políticos e economistas, mas insidiosamente presente, forrando de medos ansiedades e ganâncias o dia a dia de cada brasileiro. E era isto que a Eugénia explicava, com a serena evidência de quem não explica, mas vê.
Percebe-se o desespero e a desolação daqueles que gostam muito do Brasil (é o meu caso) e vêem este país confrontar-se com o bloqueamento de tantas esperanças. Mas fica - ficará sempre - um corpo, uma árvore uma lagoa, uma praia, uma dança nocturna. E Eugénia Melo e Castro que tanto tem feito em concreto para que portugueses e brasileiros se conheçam melhor, falou também do seu projecto televisivo, agora concretizado na RTP: Um Atlântico de duos musicais onde algumas das mais belas vozes da língua portuguesa se irão encontrar. A ideia é magnifica, o resultado pelo que vi no primeiro programa, certamente também.Esperemos que as comemorações do ano 2000 tenham muitas ideias assim.

Eduardo Prado Coelho
Publicado por Eugénia Melo e Castro às 14:51
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 28 de Agosto de 2007

LANÇAMENTO DUETOS REMASTERIZADOS - NOVEMBRO 2007- UNIVERSAL MUSIC - PORTUGAL

Publicado por Eugénia Melo e Castro às 02:40
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

CAPA CD PAZ - REMASTERIZADO EM 2007 - UNIVERSAL MUSIC- 17 DE SETEMBRO- PORTUGAL

Publicado por Eugénia Melo e Castro às 02:16
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

CD DUPLO DESCONSTRUÇÃO - 22 MÚSICAS - À VENDA EM PORTUGAL -17 DE SETEMBRO- UNIVERSAL MUSIC

Publicado por Eugénia Melo e Castro às 02:10
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 27 de Agosto de 2007

MEU CANTINHO EM SÃO PAULO



CHEGUEI A CASA EM SP. ESTOU FELIZ POR ESTAR AQUI. TENHO MUITO TRABALHO PARA FAZER, LEVANTAR ELEFANTES PREGUIÇOSOS DO CHÃO. MAS TEM DE SER. ESTE MEU AP É DELICIOSO................
Publicado por Eugénia Melo e Castro às 05:15
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 24 de Agosto de 2007

Sampa .........aqui vou eu..........

Publicado por Eugénia Melo e Castro às 13:06
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 21 de Agosto de 2007

Ritmismo

Ritmismo. Este é o nome do primeiro CD solo do baterista Christiano Rocha - http://www.christianorocha.com/ - que ao longo de sua carreira vem trabalhando com diversos artistas, tanto no Brasil quanto no exterior, como Arthur Maia, Celso Viáfora, André Abujamra, Agnaldo Rayol, Amelinha, Arismar do Espírito Santo, Marinho Boffá, Ná Ozzetti, Nuno Mindelis, Olmir Stocker, Oswaldinho do Acordeom, Paulinho da Costa, Paulinho Moska, Paulo Moura, Peninha, Rosa Marya Colin, Simone Guimarães, Sizão Machado, Toquinho, Virgínia Rosa, Zé KettiChico Cezar, Jorge Vercilo, Marcia Salomon, Markú Ribas, Natan Marques, Sérgio Santos, Zeca Baleiro, Belchior, Bukassa, Cauby Peixoto, Dominguinhos, Elba Ramalho, Eric Marienthal, Hebe Camargo, Jean e Paulo Garfunkel, John Patitucci, José Luis Montón, Maria Alcina, dentre outros.
 
O álbum que possui catorze faixas é uma homenagem do músico aos seus mestres, às suas influências e também não deixa de ser um grito, um alerta para o superficialismo que está tomando conta, não só das relações humanas, como também da arte. Em Ritmismo o músico começa com a faixa Cavalo de Tróia e termina com ela também. No comentário do encarte, Christiano fala dos perigos desta superficidade quando diz "Ritmismo encerra como começa. Sem pressa. Contra a maré, em época em que as pessoas têm cada vez mais pressa. Vale o rápido. Fica no raso. Prevalece o muito. Prá que um abraço se tem MSN? Prá que confidenciar a um amigo se pode espalhar para centenas deles no Orkut? Quer saber da minha vida? Visite meu blog. Compor pra quê se quem toca é o Dj? Já inventaram dowload de talento?"
 
Ritmismo é um disco cheio de nuances, cheio de detalhes. Não é um mero álbum de um baterista que quiz fazer um disco solo. Ele conta uma história. A história de sua formação, de sua vida musical, de seu trabalho e também como uma contribuição para música brasileira. Além disso o disco tem um time de participantes muito talentosos e algumas participações femininas nos vocais, o que deu ao CD um ar de leveza e musicalidade bem interessantes. Estão no disco Adonias Júnior, Cláudio Machado, Gustavo Martins, John Patitucci, José Roberto Gaia, Luciano Khatib, Marcelo Pizarro, Márcio Forte,Fábio Augusto, Adonias Júnior, Adriana Godoy, André Geraissati, André Olzon, Arthur Maia, Celio Barros, Cláudio Machado, Djalma Lima, Eduardo Ardanuy, Eduardo Queiroz, Emílio Mendonça, Eugénia Melo e Castro, Evandro Gracelli, Fábio Luchs, Fábio Santini, Fábio Zaganin, Giba Favery, Graça Cunha, Marcos Romera, Mario Boffa Jr, Markinhos Tessari, Michel Freidenson, Mozart Mello, Newton Carneiro, Renato Consorte, Rubinho Ribeiro, Teco Cardoso, Torcuato Mariano, Vitor Alcântara, Walmir Gil, Wanderson Bersani, Wander Taffo e Zezo Ribeiro. Vale a pena conferir o trabalho!
 
Zeca Tourinho in http://blogdaava.blogspot.com/
Publicado por Eugénia Melo e Castro às 00:09
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 20 de Agosto de 2007

um estilo inconfundível........

Publicado por Eugénia Melo e Castro às 12:11
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

estilo eu..........


Publicado por Eugénia Melo e Castro às 12:01
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Domingo, 19 de Agosto de 2007

As mãos

As mãos ??

Eu não tenho mãos

Nunca tive

Elas seriam longas, unhas perfeitas, a condizer com o vestido esverdeado, estilo Paris coleção Primavera / Verão 2003, luvas da Ulisses,  finíssimas, anéis soberbos oferecidos pelo meu grande amor num dia inesperado.

Mas eu não tenho um grande amor.
Eu nunca recebi um anel de um grande amor.
Nem esperado, nem inesperado, nem desesperado.

Por isso não devo ter mãos, aquilo que tenho nas extremidades dos braços, que são dois, nunca serviu as funções básicas do seu primeiro propósito.

Aquilo que tenho no lugar das mãos é uma coisa parecida, uns dedos tortos, uns medos mortos, umas ferramentas de acções descordenadas. Com o sentido do prático, do rápido, de frio.

Nem a minha aliança de casamento durou. Nem foi um grande amor que me deu. Fui eu. Aproveitei e comprei a dele, para não faltar na hora do casamento.

Eu devo ser o meu grande amor.
Que horror.

Aliança interna.

Ofereço-me  aneis, antes, durante, por tudo e nada,  invento e chego a acreditar que me são dados por alguém que reparou que eu tenho mãos. Mas elas não estão lá , nunca.

Estão ocupadas em ser transparentes, entregues à missão  de carregar pesos superiores aos que poderiam, porque também não tenho quem me carregue as malas. E eu vivo entre malas. Dentro delas. Fora delas.

Mas resistem a tudo, as mãos que eu teria.  Seriam de princesa,  de rainha, mas são concerteza de tristeza.

Só minha.

As mãos não sentem tristezas, só dores banais, de ossos disponiveis para o formato dos esforços.

Tenho muito orgulho nessas minhas armas de uso prático , uso-as para fazer a minha cama, a minha maquilhagem sempre desigual, a minha segurança quando desço as escadas, quando subo, quando chego, quando parto.

Ainda não tenho mais mãos, nada me convence que preciso delas a não ser o peso. E a velha mania de endireitar os objectos, as coisas.

As minhas mãos tortas nem ficariam bem direitas.

Eu sei , num conjunto de linhas e gestos, substituir a sua primeira função pelo outro lado das leituras de gestos.

Ainda bem que não tenho mãos, posso inventá-las, e quem sabe eu também invente um grande amor e tudo no final acabe bem, e o anel vá parar ao prego para pagar uma viagem para o paraíso.
Sem malas para carregar.
Adeus mãos

Adeus não.

Publicado por Eugénia Melo e Castro às 16:37
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sábado, 18 de Agosto de 2007

No YouTube...

Líndíssima coreografia ao som de "Contrastes", dueto de Eugénia Melo e Castro & Chico Buarque! Comemoração dos 30 anos da indepêndencia de Cabo Verde por CDL.

Clicar AQUI

Publicado por Eugénia Melo e Castro às 19:10
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 15 de Agosto de 2007

PoP

Eugénia Melo e Castro
“PoPortugal”
 
Pela terceira vez em 25 anos de carreira, Geninha vira-se para o património nacional: depois de “O Amor É Cego e Vê” e “Lisboa Dentro de Mim”, o alvo é agora o melhor da pop, de GNR a Abrunhosa, de Jáfumega a Clã. Tudo à dimensão de uma voz que ganhou segurança e elasticidade. A Alma já lá estava.
João Gobern
Revista Máxima, Setembro 2007
Publicado por Eugénia Melo e Castro às 21:30
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 14 de Agosto de 2007

Memória

Domingo, 19 de Agosto pelas 10:30 na RTP Memória:
 
“Pisca-Pisca” com os convidados musicais:
EUGÉNIA MELO E CASTRO, THERESA MAIUKO E RAUL INDIPWO
Publicado por Eugénia Melo e Castro às 02:13
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 13 de Agosto de 2007

Asas servem pra voar...

Publicado por Eugénia Melo e Castro às 18:12
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Domingo, 12 de Agosto de 2007

Vamos às compras?

Clique aqui: MusicaOnline 

ou aqui: Musica da Vodafone

 

Publicado por Eugénia Melo e Castro às 02:32
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 9 de Agosto de 2007

Continuação........

Publicado por Eugénia Melo e Castro às 20:19
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

TóZé Brito lança CD 40 anos de canções !! Inclui " SE QUISERES OUVIR CANTAR" versão EMC !!

Publicado por Eugénia Melo e Castro às 20:17
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sábado, 4 de Agosto de 2007

O PODER DOS NÚMEROS !!

Recentemente fui a uma numeróloga, coisa que nunca tinha feito. Fui lá especificamente para tentar saber uma coisa que no final nem perguntei. Era tudo tão interessante que acabei por me esquecer de perguntar. Tantas informações, tantas leituras novas. O mundo paralelo dos números !!

Tenho sido perseguida pelos números a vida inteira. Primeiro no colégio, sempre odiei matemática, cálculos, percentagens, escalas, contas, virgulas, zeros prá direita, zeros prá esquerda. No meu Mac uso todos os programas menos o Excel, nem tento aprender, sou uma negação.

Mas a numerologia nada tem a ver com a matemática normal. Apenas são números também, desenhos, símbolos, energias, palavras de números que falam com outras letras e fazem sentido em outras contas e outros cálculos.

Não posso evitar os olhares invasivos dos números que me rodeiam. Olho para o relógio do carro, no painel, e sempre se repetem os algarismos em posição simétrica, ou pela mesma ordem, ou em ordem inversa. No telémovel lá estão os números do relógio digital, lindinhos, num rigor estético repetitivo. 13:13, 14:41, 22:22 ........ para onde olho por acaso os números estão esteticamente dispostos em espelho imaginário.

Era isso que eu queria saber, se isto quer dizer alguma coisa, ou se é apenas o acaso. Já me explicaram as mais variadas razões, todas elas possíveis. É um exercício de hipóteses. Lá vem a matemática de novo, em matemática não existem hipóteses, só resultados exactos. Mais vírgula, menos vírgula.

O poder dos números é fascinante.

Na música os números também são importantes. Nas pautas, nas notas musicais, no solo, nos grupos, nas orquestras,  mais mil e um itens diferentes entre si, iguais em todos os casos, na vida em comum de cada coisa diferente.

E quem diria? Na quantidade de discos vendidos, nos royaltis, nos cachês, nos TOP 10, 20 , 30..........

TXARAN !!!!!!!!!!!!

Cheguei onde queria chegar. Vou directa ao ponto.

Isto é uma simples análise básica feita pela minha mente ( que ) capta o que de números apenas vislumbra o óbvio mais simplório impossível.

Vamos a números :

Em 2007 :

PORTUGAL:

-    Portugal tem 12 milhões de habitantes
-    Disco de ouro em Portugal – 10.000 ( ha 25 anos era 30.000 )
-    Disco de platina em Portugal – 20.000 ( ha 10 anos era 40.000 )


BRASIL:

-    Brasil tem 180 milhões de habitantes
-    Disco de ouro no Brasil  – 50.000 ( era 100.000 até 2004 )
-    Disco de platina no Brasil- 150.000 ( era 250.000 até 2004 )
-    Disco de diamante- 500.000 ( era um milhão até 2004, vai cair para 250.000 em 2007 )

Os números falam sozinhos.  É um Bla bla bla numérico !!  333888 637329 93838240210 12878 1 9 !!!! 982946???? ?? 01927645  !!!! 000 !!!53678 !! 11 90836 !! .

O que eu quero dizer, para alem da óbvia diferença da dimensão de mercados, é o que nos resta da minúscula parte que nos cabe a nós, em Portugal.

Quando, repetida e mecanicamente, me perguntam em Portugal qual é o entrave à divulgação da musica portuguesa no Brasil, da má vontade e resistência dos brasileiros com a musica e músicos de Portugal, eu, que vivo o actual presente desse assunto desde há 25 anos, fico verde de raiva de tanto repetir. Não é má vontade, é falta de mercado interno representativo e forte. São os números que mandam. SÃO APENAS OS NÚMEROS QUE MANDAM !!!!!!!!

Insistem na ideia de resistência por implicância, por perseguição, por opção. Portugal prefere achar que é "vitima da invasão" inexplicavel dos artistas brasileiros.

Os artistas brasileiros , de diversas  tribos, estilos, influências, enchem  agora ,e sempre encheram, os Coliseus em Lisboa e no Porto, Centros Culturais, Casas da Música, festivais, estádios, pavilhões Atlânticos, e pacificamente entram nos tops de vendas de discos e (agora !! ) Dvd´s em Portugal.

Os artistas brasileiros sempre incluíram Portugal nas suas tournés pela Europa, os espectáculos que faziam no Brasil depois viajavam pela Europa, sempre venderam discos aqui, na dimensão de vendas de Portugal, mas sempre venderam bem. Sempre houve investimento por parte das editoras. Aqui e no resto da Europa, pelo mundo fora,cada vez mais foram conquistando  os mercados internacionais, num crescente em números vendidos e em aumento, diversidade  e variedade de artistas e diferentes estilos brasileiros. É o mercado interno do Brasil reflectido no exterior. Isso também inclui automaticamente Portugal. Sempre incluiu. O Brasil tem espaço. E tem tempo.E tem tempo de sobra para não poder perder tempo.

Qualquer semente em solo brasileiro encontra o seu lugar ao sol, tem espaço para crescer, corrigir, aprender, aumentar, melhorar, mudar, piorar, experimentar as possibilidades por inteiro, tem tempo para nascer devagar e até morrer devagar. Se depois interessa a quem, isso é escolha pessoal. Mas pode crescer, aumentar, se firmar, em sustentabilidade, em retorno, em nichos imensos, milhares de nichos, todos eles maiores que o nosso nicho único nacional em Portugal. Aqui temos um nicho redutor e afunilado. Um nicho dominado por números preguiçosos, suficientes para a indiferença do consumo, da curiosidade, do estimulo, números de pés e mãos atadas.

O nosso problema é de quantidade. Em Portugal também temos produtos artísticos ( eu escrevi produtos ??? !!! ) que se poderiam sustentar e afirmar uma vida inteira, se tivéssemos mercado. Mas a morte é súbita para os artistas que não provam logo que conseguem vender um número imenso e mísero de discos. Segunda chance é só para os médios menos mal vendedores, e mais nenhuma se não conseguir vender o recorde anterior mínimo. Muito animadora a coisa aqui.........  e os que resistem tem de andar na linha, podem até evoluir um bocadinho, mas se saiem da linha mestra e entram em aventuras perigosas de crescimento ou experimentação em outras direcções mais arriscadas ( pela diferença ), arriscam-se a um assassinato cruel e indiferente.

As formulas de sucesso discográfico ou musical em Portugal são controlados por grandes mestres ocultos e anónimos. Fazem grupos, dividem-se em delírios de poder, pequenos esconderijos , olhares cúmplices do que não pode ser falado, nem divulgado, pelouros de comando de  iniciais indefinidas. Todos se perseguem entre si. Os artistas por vezes são a munição de troca, as balas, são a voz de quem se cala, as únicas armas de combate numa terra sem reféns concretos,  tudo pode acontecer, sai a sorte a quem esta ali lançando um disco, por mero acaso, naquele dia. Sortes e azares em Portugal querem dizer muito pouco. É mais na base da oportunidade, da presença inoportuna para chatear outras presenças oportunas noutras esquinas mais polidas.

Depois tinha aquela maravilha !! :

Antes um artista  ( mais ousado) poderia inventar o que quisesse, ía a N Y passear e dizia que tinha ido em tourné, que foi um enorme sucesso. E a turma engolia. Que faziam e aconteciam, conquistavam territórios dantes nunca navegados,  e a turma engolia. Agora não, basta entrar na net e saber se é verdade ou consequência.......ou sem sequência.....

A net veio possibilitar, no mínimo, uma tirada a limpo de mentirinhas brancas deste género.........

Outros iam ao Brasil ( a grande meta /Meca secreta de todos os artistas do mundo ) e o pior pesadelo acontecia. Nada. Um show na Casa de Trás os Montes, um caldo verde azul, umas sardinhas fritas , uns ranchos folclóricos de brasileirinhos nascidos portugueses aos domingos na paróquia, um pesadelo, 20 pessoas + idosas assistindo com ar boring, mas isto não é fado, queremos fadooooooooooo , canta Nem ás paredes confesso, canta Foi Deus, e pronto, lá vem a malta de regresso a Portugal deprimido, Brasil nunca mais. Gueto errado. Paciência. Grana no bolso, lexotan e ate amanhã.  (Nada contra o Fado, mas sobre esse item escreverei em outro dia...., em outro texto e contexto !)

Por outro lado, literalmente do outro lado, no Brasil, também existem noticias que são cómicas. Temos de rir, para não chorar.........

Chegam , via net, notícias sensacionais da entrada de artistas brasileiros nos tops 10, 20, 30 de Portugal. Isso é notícia importante. Fulano entrou no Top de Portugal, está em 23º lugar, cicrana desceu para 15º lugar, e beltrana ocupa o 2 lugar no Top de DVDs em Portugal por 2 meses consecutivos.
Seguem-se os números, sempre eles, os números:

EM PORTUGAL

-    Número de discos vendidos necessários para entrar no TOP 30 de vendas  de Cds – 150
-    Número de discos vendidos necessários para entrar no TOP 30 de vendas  de DVDs – 150


150 = cento e cinquenta. Confirmo. Câmbio. CENTO E CINQUENTA !!!


Francamente........Isto não chega a ser propriamente uma noticia sensacional que se dê !!  Fulano entrou no Top de Portugal com vendas de 150 discos ???????????? sim senhor, agora vamos todos dormir com esse barulho !! Só que ninguém no Brasil nem imagina que os números são esses !!!!!! números reais !!  algarismos !!!!!!  150 Cds e pronto, honrosamente nos Top´s !!!

Vou me limitar aqui ao assunto Portugal x Brasil, sem mencionar os outros mercados e países.

No Brasil um artista que vende mal, vende o mesmo numero de discos  que corresponde a disco de ouro em Portugal. Isto todos sabemos. Porém, isso faz a grande diferença no impacto exterior. São esses os números crus que contam, independentemente também do conteúdo do produto.

Quando numa feira discográfica internacional os produtores chegam com os seus artistas, Portugal entra com um artista que conseguiu disco de ouro, maravilha da maravilhas, mas são 10.000 discos. Ou disco de platina, agora 15.000 !!!

Quando chega o produtor Brasileiro com artistas que vendem 50.000, 100.000, 200.000, 500.000, imediatamente os nossos desaparecem do cenário. Não temos dimensão competitiva. Não temos essa experiencia de mercado.  Aliás nem chegamos a entrar  no cenário, Portugal vai a essa feiras discográficas , ou ía, apenas para olhar o mercado dos outros, sentir o cheiro do mercado dos outros, fazer umas compritas no free shop e regressar à mini guerra local de espaço na play list das rádios FM.

Isto sem a tal da crise da pirataria, da internet, da venda por downloads,

Mas isso é outro assunto.......Nem Brasil nem Portugal tem como fazer frente, o mundo mudou e não se sabe bem como. São novas linguagens.

Disco de ouro já era, agora é jóia literalmente, antiguidade. Disco de platina nem temos,,,,,,,,,,Agora as feiras são virtuais,  feiras de discos só de selos independentes, sem free shop nem play list internacional imposta pelo outro tal mercado paralelo, o que vende !!
Engraçado, o mercado paralelo agora é oficialmente o que vende, o que não vende é o Novo Oficial Interessante, cruzado, ondulado, tudo menos paralelo.......

A música ao vivo é uma das saídas, a entrada, a resistência. Vamos voltar aos saraus, aos momentos únicos de cada concerto, de cada nota, de cada som, de cada palavra. Os novos trovadores vão simplificar as novas sinfonias. E como sempre, vai-se reinventar o poder da reinvenção, da criação, das soluções cíclicas de interesses e desinteresses generalizados ou particulares, populistas ou intimistas,  populares ou elitistas.

Os números têm destas coisas, interferem até nos conceitos inversos do mercado do universo......

Perante isto, creio que, numa leitura simplista, os números derrubam qualquer número.

Os novos números são novos. Mudou o sistema de avaliação.

A Música não mudou de avaliação. Mudou a avaliação da avaliação. Cresce  a cada dia, contra os números e a favor na forma da nova matemática, que soma e multiplica as chances que se dividem em múltiplas diferenças e direcções. Raízes que eram quadradas agora são frutos de mentes abertas.

Detesto as contas de diminuir.

 ( fiquei sem saber o que será que quer dizer isto da perseguição que os números simétricos me fazem............ ??????????????????)

10:01
Publicado por Eugénia Melo e Castro às 01:18
Link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 3 de Agosto de 2007

MISTÉRIOS DA NET......PARA ONDE VAI ESTA GRANA ???????????

http://mp3skyline.com/rid-0xf4fe-eugenia-melo-e-castro_-_desconstrucao-mp3-download.html

Publicado por Eugénia Melo e Castro às 20:03
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

DUETOS RAMASTERIZADOS PARA 2007

Esta é a capa do CD que reúne 16 Duetos que Eugénia fez ao longo de 25 anos de carreira. Serão relançados com novas mixagens e masterizações, feitas agora em 2007, em São Paulo.

Sairá em Portugal pela Universal e no Brasil pela Atração, no Natal de 2007.

Publicado por Eugénia Melo e Castro às 02:51
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 1 de Agosto de 2007

Mais links

Rate Your Music

Brasil Musik

Letras.mus.br

MP3.KISS.NET

Palco principal com Christiano Rocha (atenção ao tema "Cavalo de Tróia" com a participação de EMC)

Publicado por Eugénia Melo e Castro às 00:58
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Bem Querer / Futuros Amantes


Veja mais vídeos aqui!

AVISO AOS NAVEGANTES :

ESTE BLOG É (TAMBÉM) UMA BASE DE DADOS ACTUALIZADOS SOBRE EUGÉNIA MELO E CASTRO. DESTINA-SE AO REGISTO DE ENTREVISTAS, MATERIAIS DE IMPRENSA, MÉDIAS, MP3, VIDEOS, MATERIAL DE PESQUISA, BIOGRAFIA, HISTÓRIAS, OPINIÕES, CRÓNICAS, FOTOS, DATAS, AUTORES, MÚSICOS ENVOLVIDOS, ASSUNTOS RELACIONADOS, DEPOIMENTOS, LINKS RELACIONADOS, AGENDA DE SHOWS, ACTUALIZAÇÃO DE ACTIVIDADES, LANÇAMENTOS E RELANÇAMENTOS DE CDs, DVDs, PARTICIPAÇÕES ESPECIAIS, GRAVADORAS, DIREITOS AUTORAIS, LETRAS, CONVIDADOS ESPECIAIS, ONDE, COMO E QUANDO.

Arquivos

subscrever feeds

blogs SAPO