Quarta-feira, 20 de Junho de 2007

Batida diferente

O texto abaixo é do Ruy Castro e foi publicado hoje na Folha de São Paulo. É um depoimento muito apropriado e necessário sobre o Durval Ferreira, compositor indevidamente “esquecido” pelo grande publico, mas que deixou uma dezena de canções excelentes, completamente imbuídas do espírito da Bossa Nova, movimento do qual foi um dos mais ilustres representantes. Que ele tenha ido para o céu, agradar anjos, arcanjos e querubins, com a sua batida diferente. É isso. (Muri Pessoa)
 
 
RUY CASTRO - RIO DE JANEIRO - Durval Ferreira, que morreu domingo no Rio, aos 72 anos, era um compositor e violonista da bossa nova. Compôs alguns dos maiores clássicos do gênero, mas não era famoso. Não tanto, por exemplo, quanto Carlos Lyra, João Donato ou Baden Powell, seus colegas de geração. Sua obra, no entanto, rivaliza com a deles em originalidade, dinamismo e beleza. É só conferir.
Com diversos parceiros, Durval foi autor de "Tristeza de Nós Dois", "Estamos Aí", "Batida Diferente", "Chuva", "Nuvens", "Moça Flor", "Sambop", "São Salvador", "Porque Somos Iguais", "Mania de "Snobismo'", "Samba Novo", "E Nada Mais". Os títulos podem não lhe trazer as melodias à memória, mas, assim que ouvidas, elas serão reconhecidas imediatamente.

Canções adoráveis, mas que mesmo muitos críticos não saberiam atribuir a ele. E, ao que me parece, isso nunca lhe fez diferença. Como músico, tocou em centenas de discos, muitas vezes sem crédito para seu violão. E, como produtor, foi responsável por dezenas de outros que, por sua vez, nunca se preocupou em assinar. Esse era o seu jeito.

Durval precisou chegar aos 69 anos, em 2004, para aceitar gravar o primeiro disco em seu nome, e somente por insistência da pequena Guanabara Records. Assim que souberam, no entanto, 40 dos mais importantes músicos brasileiros fizeram de tudo para participar dele. O resultado, o CD "Batida Diferente", fala por si.

Pela vida, assisti a grandes shows de Durval. O mais emocionante foi em janeiro último, no J. Club, no Rio. Ele já estava doente. Mas, com a destreza felina de seu violão e com Leny Andrade a tiracolo, quase derrubou a casa. Durval era o balanço em pessoa. E sua canção "Batida Diferente", esta, sim, é um manifesto da bossa nova, da qual ele foi um soldado fiel e apaixonado.
Publicado por Eugénia Melo e Castro às 15:02
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Ouça aqui

EMAIL/ CONTACTOS/ SITE OFICIAL

eugeniamc@sapo.pt http://www.eugeniameloecastro.com

Bem Querer / Futuros Amantes


Veja mais vídeos aqui!

AVISO AOS NAVEGANTES :

ESTE BLOG É (TAMBÉM) UMA BASE DE DADOS ACTUALIZADOS SOBRE EUGÉNIA MELO E CASTRO. DESTINA-SE AO REGISTO DE ENTREVISTAS, MATERIAIS DE IMPRENSA, MÉDIAS, MP3, VIDEOS, MATERIAL DE PESQUISA, BIOGRAFIA, HISTÓRIAS, OPINIÕES, CRÓNICAS, FOTOS, DATAS, AUTORES, MÚSICOS ENVOLVIDOS, ASSUNTOS RELACIONADOS, DEPOIMENTOS, LINKS RELACIONADOS, AGENDA DE SHOWS, ACTUALIZAÇÃO DE ACTIVIDADES, LANÇAMENTOS E RELANÇAMENTOS DE CDs, DVDs, PARTICIPAÇÕES ESPECIAIS, GRAVADORAS, DIREITOS AUTORAIS, LETRAS, CONVIDADOS ESPECIAIS, ONDE, COMO E QUANDO.

Arquivos

subscrever feeds

blogs SAPO