Domingo, 19 de Agosto de 2012

Pontes Sonoras

Pontes Sonoras, Revista Brasileiros

Marcelo Pinheiro

 

Entre julho e outubro de 1981, a jovem cantora portuguesa Eugénia Melo e Castro recebeu o brasileiro Wagner Tiso em Lisboa, para assinar a direção musical de seu primeiro álbum, Terra de Mel. Acompanhado dos irmãos Kleiton e Kledir, que dividiram violões e guitarras, o maestro mineiro fechou a equipe que registraria o álbum com o baixista Luís Duarte e o flautista Luís Caldeira, ambos portugueses. Reunindo composições de Kleiton com letras de Eugénia – que é filha da escritora Maria Alberta Menéres e do poeta E.M. de Melo e Castro –, Terra de Mel foi celebrado pela imprensa local como um dos mais importantes títulos de 1982 e o marco zero de uma carreira dedicada a estabelecer pontes musicais entre Brasil e Portugal.

 

Trinta anos depois, em Um Gosto de Sol, seu 25o álbum, a cantora presta tributo ao Clube da Esquina, movimento musical liderado por Milton Nascimento e Lô Borges, eternizado em canções emblemáticas, como Nada Será Como Antes, Um Girassol da Cor do Seu Cabelo,  O Trem Azul e Tudo Que Você Podia Ser.

 

A escolha do repertório mineiro para celebrar as três décadas de carreira, reflete a estreita relação de Eugénia e a geração de Tiso, que reuniu compositores e instrumentistas brilhantes, como Milton, Lô e todo o clã dos Borges, Beto Guedes, Flávio Venturini, Fernando Brant, Ronaldo Bastos e Toninho Horta, amigos com quem Eugénia até hoje compartilha afinidades musicais, melódicas e algo mais: “Nasci na Covilhã, na Serra da Estrela, e cresci imaginando como seria a vida além-montanha. Essa coisa de dar força à linha do horizonte é uma sensação que os mineiros também têm. Acho que toda criatividade represada e a energia contida em um único lugar, deu nisso”, defende ela.

 

Além de clássicos registrados no disco de estreia do Clube, como Cais e Um Gosto de Sol, o novo álbum, lançado pelo selo SESC com produção e arranjos requintados de Robertinho Brant, traz 12 canções, algumas delas lado B, como Luz e Mistério, composta por Beto Guedes e Caetano Veloso; Vaga no Azul, poema de Fernando Pessoa musicado por Milton; e O Cerco, parceria de Eugénia com Tiso. Reverente, o álbum é marcado por uma contenção da emissão vocal e traz arranjos impregnados da atmosfera etérea do piano elétrico Fender Rhodes, presente em muitas faixas: “Queria fazer algo que respeitasse a sonoridade dos jovens mineiros e não pretendia propor novidades harmônicas. Essas canções foram escritas de forma definitiva e acho que consegui trazer uma linguagem que defende essa tradição”.

 

Falando em tradições lusitanas, questionada sobre o atual cenário musical em Portugal, Eugénia se diz otimista, mas lamenta a falta de um impulso renovador de grandes proporções. “Milhões já tentaram modernizar o fado, mas ninguém conseguiu encontrar ‘a coisa’. Surgem novas cantoras com uma nova postura, roupas coloridas, longe do estereótipo do xale preto, mas ainda estamos à espera de alguém que invente ou descubra uma espécie de bossa nova para o fado.”

Publicado por popogirl às 23:19
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Ouça aqui

EMAIL/ CONTACTOS/ SITE OFICIAL

eugeniamc@sapo.pt http://www.eugeniameloecastro.com

Bem Querer / Futuros Amantes


Veja mais vídeos aqui!

AVISO AOS NAVEGANTES :

ESTE BLOG É (TAMBÉM) UMA BASE DE DADOS ACTUALIZADOS SOBRE EUGÉNIA MELO E CASTRO. DESTINA-SE AO REGISTO DE ENTREVISTAS, MATERIAIS DE IMPRENSA, MÉDIAS, MP3, VIDEOS, MATERIAL DE PESQUISA, BIOGRAFIA, HISTÓRIAS, OPINIÕES, CRÓNICAS, FOTOS, DATAS, AUTORES, MÚSICOS ENVOLVIDOS, ASSUNTOS RELACIONADOS, DEPOIMENTOS, LINKS RELACIONADOS, AGENDA DE SHOWS, ACTUALIZAÇÃO DE ACTIVIDADES, LANÇAMENTOS E RELANÇAMENTOS DE CDs, DVDs, PARTICIPAÇÕES ESPECIAIS, GRAVADORAS, DIREITOS AUTORAIS, LETRAS, CONVIDADOS ESPECIAIS, ONDE, COMO E QUANDO.

Arquivos

subscrever feeds

blogs SAPO