Sexta-feira, 4 de Maio de 2012

CANTO DE ULTRAMAR - por Aquiles Rique Reis, músico e vocalista do MPB4

A portuguesa Eugénia Melo e Castro lançou UM GOSTO DE SOL (SESC-SP). Afinadíssima, sua voz soa como um fio envolto em ouro puro. Seu sotaque revela as diferentes nuances nos laços de familiaridade. Portugal e Brasil, nações mãe e filha, um oceano de distância, ajuntados pelo gesto que busca a proximidade através do reconhecimento de afinidades.

Partindo da ideia de buscar nas canções do lendário Clube da Esquina mineiro a chama que avivaria sua voz suave, chegando à definição de repertório, tudo navega em mar de almirante. Músicas marcantes e bastante conhecidas ganharam nova força na interpretação dessa brasileira nascida em Portugal. Ou seria uma portuguesa nascida no Brasil?

Pela voz de Eugénia Melo e Castro, a música brasileira assume sua face lusitana e a canção portuguesa avoca para si o som da brasilidade – como se clareando que fado e samba são consanguíneos. Minas Gerais e Lisboa unidas na mesma carta geográfica.

Eugénia sabe a música brasileira; por isso, mesmo com sotaque, ela canta “em brasileiro”. Suas divisões têm um jeitinho bossanovista encantador e tudo resulta na alegria de vermos que temos diante de nós uma cantora do mundo – como se fosse uma Nara Leão rediviva.  

Com produção e arranjos do violonista Robertinho Brant, tudo começa com a música que dá título ao álbum, “Um Gosto de Sol” (Milton Nascimento e Fernando Brant). Com efeitos sonoros que vão do órgão ao Fender e à guitarra, a introdução tem a fineza que se anuncia como marca do trabalho. O violão chega junto com a voz de Eugénia. A percussão ritma. O baixo acústico marca. E vem o intermezzo, réplica daquele criado por Eumir Deodato e gravado originalmente no LP Clube da Esquina Nº 1 (1972). Show.

Em “Fruta Boa” (Milton e Fernando), a letra do poeta tem a candura que Eugénia só faz aguçar. Mais uma vez os teclados dão ao ar a leveza de sua graça.

“Cais” (Milton e Ronaldo Bastos) começa com a letra recitada por Eugénia, versão ultramarina de rap. Logo ela dobra a melodia, cantando uma oitava abaixo. Quase sussurrando, diz a letra com rara beleza. Os instrumentos aconchegam-na com recatada deferência. Volta o tema criado por Eumir Deodato, agora solado na flauta. Sobre ele, Eugénia recita “A Hora Absurda”, de Fernando Pessoa. Emocionante.

Eugénia recria o fado “Maldição” (Alfredo Duarte e A. Vieira Pinto), dando-lhe um vigor de tirar o fôlego. Com efeitos de guitarra e teclado, mais a percussão, o arranjo tem uma dinâmica pop que dá ímpeto de aplaudir em cena aberta.

Ainda que, em alguns momentos, a mixagem permita que o som instrumental equivalha-se à voz de Eugénia, dificultando seu entendimento, Um gosto de sol é pleno de lirismo e de significados, refletindo o dom que tem Eugénia Melo e Castro de transpor limites.

Na lembrança ancestral, traduzida em versos pelos poetas, a dor se mistura à busca incessante pela fantasia. E, na idealização de romper fronteiras, busca na música o instrumento que poderá realizá-la.

Aquiles Rique Reis, músico e vocalista do MPB4, página Cultura do Jornal Diário do Comércio

Publicado por popogirl às 05:36
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Ouça aqui

EMAIL/ CONTACTOS/ SITE OFICIAL

eugeniamc@sapo.pt http://www.eugeniameloecastro.com

Bem Querer / Futuros Amantes


Veja mais vídeos aqui!

AVISO AOS NAVEGANTES :

ESTE BLOG É (TAMBÉM) UMA BASE DE DADOS ACTUALIZADOS SOBRE EUGÉNIA MELO E CASTRO. DESTINA-SE AO REGISTO DE ENTREVISTAS, MATERIAIS DE IMPRENSA, MÉDIAS, MP3, VIDEOS, MATERIAL DE PESQUISA, BIOGRAFIA, HISTÓRIAS, OPINIÕES, CRÓNICAS, FOTOS, DATAS, AUTORES, MÚSICOS ENVOLVIDOS, ASSUNTOS RELACIONADOS, DEPOIMENTOS, LINKS RELACIONADOS, AGENDA DE SHOWS, ACTUALIZAÇÃO DE ACTIVIDADES, LANÇAMENTOS E RELANÇAMENTOS DE CDs, DVDs, PARTICIPAÇÕES ESPECIAIS, GRAVADORAS, DIREITOS AUTORAIS, LETRAS, CONVIDADOS ESPECIAIS, ONDE, COMO E QUANDO.

Arquivos

subscrever feeds

blogs SAPO