Sábado, 3 de Março de 2012

Um gosto de Sol...

EUGÉNIA MELO E CASTRO FAZ NO SESC PINHEIROS DOIS SHOWS PARA LANÇAMENTO DE "UM GOSTO DE SOL"

 

O novo CD da cantora portuguesa Eugénia Melo e Castro − "Um gosto de sol", lançamento Selo SESC − é todo ele dedicado à música de compositores de Minas Gerais, do chamado "Clube da Esquina". Dois dos 'sócios' do Clube, Wagner Tiso e Flávio Venturini, participam dos shows de lançamento, que acontecem no SESC Pinheiros nos dias 24 e 25 de Março. Nas palavras de Milton Nascimento, "Eugénia é nossa embaixatriz; a maior, pois NOSSA quer dizer – de Portugal e do Brasil".

 

EUGÉNIA MELO E CASTRO

A cantora e compositora Eugénia Melo e Castro tem uma trajectória única, original.

 

Portuguesa, ela construiu toda a sua carreira gravando sempre no Brasil, com repertório e músicos brasileiros e se dividindo entre Lisboa (onde mora) e o Brasil (onde aparece com grande frequência). Uma das características desse trabalho que já se estende por mais de 30 anos é que Eugénia nunca abdicou da "maneira de falar de Portugal".

 

"Minha intenção é, e sempre foi, desde o início, a de buscar pontos comuns entre Brasil e Portugal, na intenção das palavras, no objetivo, na maneira de ser, na mistura músicos e influências, mas fazendo um som português", afirma a artista.

 

Dado marcante é que em toda a sua carreira a música dos mineiros se faz presente. Vale lembrar, por exemplo, que em seu primeiro disco, "Terra de Mel", lançado em 1982, Eugénia teve a seu lado Wagner Tiso como produtor do LP .

 

Wagner Tiso trabalha com Eugénia desde esse disco, tendo produzido 10 dos seus 24 discos, em 30 anos de carreira.

 

Eugénia Melo e Castro conta que sempre sentiu-se muito próxima música mineira. "Isso se dá, certamente, porque nasci e cresci na Serra da Estrela [na cidade de Covilhã], em região que em muito se assemelha à do montanhoso estado brasileiro de Minas Gerais. Eu sempre entendi perfeitamente o que cantam os mineiros porque nesses lugares não há a imensidão física do horizonte. Isso nos torna a todos que lá vivemos sonhadores e imaginativos."

 

Uma viagem, uma história − Em "Um Gosto de Sol", seu novo disco, gravado para o Selo SESC, Eugénia Melo e Castro reafirma a presença mineira em sua música. "Sou desde sempre sócia-convidada do Clube da Esquina", diz ela, "aprendi o Brasil através da música".

 

Todas músicas do disco, gravado inteiramente em Belo Horizonte, produzido pelo também compositor mineiro Robertinho Brant, são assinadas por compositores do chamado "Clube da Esquina" − Milton Nascimento, Wagner Tiso, Toninho Horta, Fernando Brant, Márcio Borges, Ronaldo Bastos, Beto Guedes, Túlio Mourão −, e vários desses músicos têm participações especiais no CD.

 

"Um Gosto de Sol" vai mais longe em sua busca por evidenciar as similaridades e as influências estéticas existentes entre Minas Gerais e Portugal. Eugénia não se limita a cantar os mineiros. Inclui também no disco um fado tradicional ("Maldição", de Alfredo Duarte), interpretado de uma forma invertida no sentimento e na forma.

 

Inclui ainda a poesia do Poeta português Fernando Pessoa, um poema musicado por Milton Nascimento e outro declamado por ela que se chama A HORA ABSURDA, e também a poesia do Poeta mineiro Affonso Ávilla, na voz da atriz Débora Falabella, mineira também.

 

Para a capa Eugénia escolheu uma bela pintura do artista plástico mineiro, Rodrigo Guimarães.

 

"Este meu 'Um Gosto de Sol' é um disco conceitual, que conta uma viagem, tem uma história", afirma Eugénia Melo e Castro. E acrescenta: "É também um disco em que expresso uma nova intenção vocal. É suave, contido, com a preocupação de ser agradável, mas de grande intensidade nas letras e musicalmente".

 

As doze faixas do disco − Nas seis primeiras faixas de "Um Gosto de Sol" Eugénia Melo e Castro apresenta suas personalíssimas versões para canções que já se tornaram clássicos da produção dos associados do Clube da Esquina:

 

"Um gosto de sol" (de Mílton Nascimento e Ronaldo Bastos, gravada originalmente em 1972 no álbum 'Clube da Esquina', de Milton) e que foi gravada também pela própria Eugénia em seu LP "Águas de todo o ano", de 1983

 

"Luz e mistério" (de Caetano Veloso e Beto Guedes, gravada originalmente por Beto Guedes em 1978 em seu LP 'Amor de Índio')

 

"Fruta boa" (de Milton Nascimento e Fernando Brant, primeira gravação por Milton Nascimento em 1988, em seu LP 'Miltons')

 

"Sol de primavera" (de Beto Guedes e Ronaldo Bastos, também gravação original de Beto Guedes, de 1979, no LP de mesmo nome)

 

"Tarde" (de Milton Nascimento e Márcio Borges, gravada pela primeira vez por Milton em LP de 1969)

 

"Cais" (de Milton Nascimento e Ronaldo Bastos, também lançada em 1972 no álbum 'Clube da Esquina'). Nesta faixa, Eugénia acrescenta excerto de "Hora absurda" (poema de raiz simbolista, da fase inicial de Fernando de Pessoa). "Para mim", diz Eugénia, "este é um poema extremamente atual, daqueles que coloca ponto final em um assunto... Gravei de uma única vez, e a cadência do poema se encaixou muito bem com a música."

 

As seis faixas seguintes expressam talvez uma voz mais pessoal de Eugénia Melo e Castro, mas sempre firmemente ancorada no universo da música dos mineiros.

 

"Vaga no azul" é música de Milton Nascimento (escrita há uns vinte anos, por sugestão de Eugénia) para poema de Fernando Pessoa, com participação especial de Milton. Explica Eugénia que esta música pode ser considerada inédita. "Fiz uma primeira gravação em 1896, no LP 'EMC III', mas saiu tudo errado... Quando ouviu, na época, o Bituca me disse que achou a música bonita, mas "não fui eu quem escreveu essa música... (risos)...

 

"Fogo de palha" é parceria de Eugénia com Toninho Horta, que participa da gravação com violão e vocais. Eugénia fez a primeira gravação em 1988, em seu LP "Coração imprevisto".

 

"O cerco" é mais uma letra de Eugénia, esta musicada por Wagner Tiso, que participa ao piano. A música foi originalmente gravada por ela no LP "Lisboa Dentro de Mim", de 1993

 

"Dança da lua", com letra de Ronaldo Bastos para música de Túlio Mourão, que tem participação especial ao piano. A gravação original foi um dueto de Eugénia e Ney Matogrosso, no LP " Aguas de Todo o Ano" de 1983.

 

"Maldição", fado de Alfredo Duarte e Armando Vieira Pinto − celebrizado na voz de Amália Rodrigues e depois regravado por dezenas de cantoras − é reconstruído por Eugénia com um tempero diferente -"Busquei a contenção, evitando ser explicitamente dramática; minha intenção foi a de valorizar a letra", conta Eugénia. No final da faixa, ela faz uma citação a "Ponta de areia", segundo Eugénia uma alusão a "Native dancer" (álbum de 1975, de Wayne Shorter featuring Milton Nascimento) − "Esse foi o disco que me despertou para aquilo que eu queria fazer pelo resto da vida", afirma.

 

Fecha o disco a "Vinheta do Bituca", uma espécie de assinatura de Milton Nascimento, o tema sempre utilizado por ele em suas gravações e apresentações. Nessa faixa, há a presença da atriz Débora Falabella recitando o poema "Estrada real", do mineiro Affonso Ávilla: "& Seguir sem sonhar para sentir & sonhar sem sentir para seguir & sentir sem seguir para sonhar..."

Publicado por popogirl às 12:15
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Ouça aqui

EMAIL/ CONTACTOS/ SITE OFICIAL

eugeniamc@sapo.pt http://www.eugeniameloecastro.com

Bem Querer / Futuros Amantes


Veja mais vídeos aqui!

AVISO AOS NAVEGANTES :

ESTE BLOG É (TAMBÉM) UMA BASE DE DADOS ACTUALIZADOS SOBRE EUGÉNIA MELO E CASTRO. DESTINA-SE AO REGISTO DE ENTREVISTAS, MATERIAIS DE IMPRENSA, MÉDIAS, MP3, VIDEOS, MATERIAL DE PESQUISA, BIOGRAFIA, HISTÓRIAS, OPINIÕES, CRÓNICAS, FOTOS, DATAS, AUTORES, MÚSICOS ENVOLVIDOS, ASSUNTOS RELACIONADOS, DEPOIMENTOS, LINKS RELACIONADOS, AGENDA DE SHOWS, ACTUALIZAÇÃO DE ACTIVIDADES, LANÇAMENTOS E RELANÇAMENTOS DE CDs, DVDs, PARTICIPAÇÕES ESPECIAIS, GRAVADORAS, DIREITOS AUTORAIS, LETRAS, CONVIDADOS ESPECIAIS, ONDE, COMO E QUANDO.

Arquivos

subscrever feeds

blogs SAPO